Posts Tagged ‘Comportamento’

EXAGEROU NA FESTA DA EMPRESA? SAIBA RECUPERAR A REPUTAÇÃO!

22/12/2010

Segundo especialistas em comportamento corporativo, profissional deve ter jogo de cintura para resgatar a imagem.

Por Rômulo Martins

Exagerou na festa da empresa? Saiba recuperar a reputaçãoMúsica e bebida alcoólica: combinação perfeita para liberar o corpo e o espírito. Não diante do presidente da empresa, de diretores, lideranças e do seu chefe. Se você escorregou na festa corporativa vai precisar ter jogo de cintura para driblar o constrangimento causado pela postura inadequada na volta ao trabalho, afirmam especialistas em comportamento empresarial.

“Não adianta fingir que nada aconteceu. As pessoas vão comentar. Reconheça o excesso e reaja numa boa”, recomenda Daniela do Lago, professora da Fundação Getúlio Vargas.

Segundo Daniela, comentários maldosos sobre os deslizes dos colegas de emprego são comuns mesmo quando ocorrem em um ambiente festivo. Contornar a situação exige sagacidade. A dica é mostrar que situações de embaraço podem acontecer com qualquer um. “Aja como quando acontece algo que lhe rende um apelido. Se você se irrita o apelido ganha força. Então brinque com o fato e mude de assunto rapidamente”, sugere Daniela.

Renata Mello, consultora de imagem corporativa, orienta não alimentar fofocas no ambiente de trabalho. “Peça aos colegas que parem os comentários. Quem presenciou cenas de exagero deve imaginar que aquilo poderia ter acontecido com ele.”

Na relação com o chefe seja franco: peça desculpa, assuma o comportamento inadequado e diga que não repetirá a dose. “Adote uma postura firme”, aconselha Renata.

É melhor prevenir
Evitar ser o centro das atenções nas festas de trabalho de final de ano continua sendo o conselho número um dos especialistas em comportamento corporativo. Para Daniela do Lago, o ideal é fugir das bebidas alcoólicas. Quanto ao traje, a regra é a neutralidade. Roupas mais despojadas podem ser utilizadas desde que não revelem sensualidade ou vulgaridade. O conselho vale também para as festas temáticas. Da mesma maneira, não se exceda na pista de dança a ponto de gerar murmúrios pós-festa que prejudiquem sua imagem profissional e possam colocar em xeque o seu atual emprego.

“As pessoas precisam aprender a se comportar em qualquer evento. Qualquer excesso é desagradável e gera comentários”, diz Renata Mello.

SAIBA MANTER A CLASSE NAS FESTAS “PROFISSIONAIS” DO FINAL DE ANO

15/12/2010

por Daniele Aronque

Saiba como manter a classe nas festasChegou dezembro, e com ele o Natal, o Ano Novo, os “amigos-secretos” e as tradicionais festas de confraternização de empresas. Mesmo estando em um clima mais informal é sempre bom lembrar que, por mais festiva que seja a situação, você ainda está dentro do ambiente profissional, ao lado de colegas de trabalho, de chefes e superiores.

Segundo a consultora de etiqueta e comportamento Célia Leão, as pessoas devem ter bom senso acima de tudo e tomar muito cuidado para não colocar sua reputação e seu emprego em risco. “É comum estarem todos mais descontraídos, mas temos que cuidar de nossas atitudes para evitar pequenos deslizes que podem ser desastrosos!”, aconselha.

Veja algumas dicas da consultora para aproveitar bem as comemorações sem correr nenhum “perigo profissional”:

  • Não beba demais! A mistura do álcool com o ambiente profissional nunca dá certo;
  • Vista-se apropriadamente para a ocasião. Lembre-se que você não está em uma festa de família ou em uma casa noturna, por mais chique que seja a ocasião, tente não se produzir exageradamente;
  • Se a festa for mais informal, nada de ternos para os homens – mas também sem o exagero de bermudas, tênis e sandálias. As mulheres devem evitar roupas muito curtas, com brilhos, fendas e decotes muito profundos, transparências e barrigas de fora;
  • Informe-se antes sobre quem está convidado para a festa – muitas vezes ela pode não ser aberta para maridos/esposas, namorados e filhos;
  • Se você exagerar na bebida procure esquecer e nunca mais tocar no assunto. Se outra pessoa fizer algum comentário, diga que está se sentindo péssimo e prefere esquecer o ocorrido. Faça o possível para resgatar sua imagem – ela é muito importante para você.


E o amigo secreto?

“Não é obrigatório participar do amigo secreto do seu atual emprego, mas se resolver fazer parte da troca de presentes entre no espírito da brincadeira e não esqueça de comprar o que o seu amigo-secreto pediu”, diz a consultora Célia Leão.


Veja mais alguma dicas:

  • Procure não dar nada pessoal demais (a não ser que realmente conheça o gosto da pessoa ou que ela tenha pedido algo específico). Na lista dos “muito pessoais” estão: perfumes, maquiagem, e roupas íntimas.
  • Se por acaso você tirar seu chefe não tente ostentar comprando coisas caras demais (pode parecer que você está “puxando o saco” dele). Tente se manter dentro dos valores estabelecidos antes da brincadeira.
  • O CD/DVD se transformou em uma espécie de “presente para todos os gostos”. Principalmente depois que algumas lojas inventaram o vale-cd/dvd, onde a pessoa pode escolher depois seu artista favorito!
  • Livros também são uma boa pedida, mas tente se manter longe daqueles profissionais, que tenham muito a ver com o trabalho da pessoa.

CUIDADO PARA NÃO “ESCORREGAR” – 10 GAFES QUE ARRANHAM SUA IMAGEM PROFISSIONAL

21/10/2010

Equívocos clássicos podem gerar conflitos no trabalho e levar inclusive à demissão.

Por Rômulo Martins

10 gafes que arranham sua imagem profissionalHá coisas que nunca saem de moda. Uma delas é a etiqueta corporativa. Pena que muitos profissionais vivem esbarrando nas regras (nem sempre documentadas) do bom convívio. Geram animosidades e comprometem o rendimento no trabalho. “A competência técnica é essencial para ocupar um cargo, mas é o comportamento que vai indicar se o profissional se manterá na empresa e será promovido ou não”, avisa Daniela do Lago, professora da Fundação Getúlio Vargas.

Segundo Mary Cássia Batista de Siqueira, coordenadora do curso de Gestão em Recursos Humanos da Veris Faculdades, além de afetar a imagem profissional, uma conduta inadequada quebra a relação de confiança entre empresa e cliente. “Se por um lado falta mão de obra qualificada para ocupar alguns postos, por outro há uma competição acirrada no mercado de trabalho”, alerta.

As consequências de atitudes impróprias no meio empresarial, contudo, nem sempre ocorrem instantaneamente. De forma sutil, seu chefe pode tirar responsabilidades suas por entender que seu comportamento é incompatível com dada tarefa. Pode ainda transferir você de área ou mudar para um cargo de menor importância e visibilidade. Nem por isso vai se sentir necessariamente na obrigação de lhe dizer a real causa das decisões.

De acordo com Daniela, é o profissional quem deve avaliar suas posturas. Menos atribuições no trabalho, diz ela, indicam pouco crédito. O próximo passo pode ser a demissão. “Tropeços na carreira são inevitáveis”, admite a especialista em comportamento corporativo. “Todavia, torna-se difícil reverter uma situação quando já se criou uma imagem desfavorável”, adverte.

Daniela e Mary apontam os deslizes mais comuns no ambiente de trabalho. Preste atenção para não cair em nenhum deles.

Usar o telefone ou celular sem critérios1. Usar o telefone ou celular sem critérios
Falar alto ao telefone atrapalha a concentração do colega ao lado ou irrita o cliente à espera de atendimento. Tão desagradável quanto interromper uma reunião para atender ao celular que deveria estar desligado ou no vibra call.

Atrasar-se habitualmente2. Atrasar-se habitualmente
Atrasos podem ser interpretados como falta de organização e planejamento ou desinteresse no trabalho. A empresa pode ainda perder oportunidades de negócio por conta deste deslize.

Tomar o espaço do outro3. Tomar o espaço do outro
Alguns profissionais não se organizam o suficiente para usar o ambiente a eles destinado. Quando a mesa se transforma em pilhas de papel e documentos não há mais lugar para colocar seus pertences. Por isso, utilizam erroneamente o espaço alheio.

Fazer rádio-peão (nos corredores e nas redes)4. Fazer rádio-peão (nos corredores e nas redes)
Falar mal do chefe ou da empresa, além de ser antiético, é uma das principais causas de demissão. Fazer comentários maldosos sobre o colega de trabalho, do mesmo modo, arranha a imagem profissional. O perigo aumenta quando informações são registradas nas redes sociais. Especialistas recomendam muito cuidado com os desabafos.

“Esquecer” do trabalho5. “Esquecer” do trabalho
Alguns profissionais vão até a área de café para tomar um lanche ou aliviar um pouco a tensão e perdem a noção do tempo. Demonstram falta de compromisso e responsabilidade e acumulam trabalho. Outros passam grande parte do tempo na internet pesquisando assuntos de ordem pessoal.

Enviar e-mails com erros grotescos de português6. Enviar e-mails com erros grotescos de português
É preciso cautela com abreviações. Elas podem causar erros de interpretação. Não se deve enviar mensagens ao chefe, colegas e clientes como se estivesse conversando com um amigo pelo Messenger. O e-mail visa à otimização do trabalho. Analise a sua pertinência e o releia antes de enviá-lo.

Fazer da mesa de trabalho a área de café ou a “estante” de casa7. Fazer da mesa de trabalho a área de café ou a “estante” de casa
Comer na mesa de trabalho é anti-higiênico. Pode gerar danos à saúde e conflitos. Deteriora ainda os recursos do trabalho. Da mesma forma, poluir a mesa com fotografias, imãs, bilhetes etc não condiz com uma conduta profissional. Tenha bom senso ao colocar qualquer objeto pessoal na mesa de trabalho.

Esquecer ou errar o nome do cliente8. Esquecer ou errar o nome do cliente
Uma das situações mais embaraçosas é não lembrar ou errar o nome do cliente. Revela falta de atenção e de interesse. Caso considere necessário, anote o nome discretamente para não escorregar.

Cumprimentar com intimidade9. Cumprimentar com intimidade
Este tipo de deslize, na maioria das vezes, é cometido por ingenuidade ou falta de conhecimento da etiqueta corporativa. A regra é cumprimentar com um aperto de mão. A iniciativa do beijo deve ser sempre da mulher.

Vestir-se inadequadamente10. Vestir-se inadequadamente
Muito se fala sobre trajes no ambiente de trabalho, no entanto, o assunto continua atual. O fato é que ainda há pessoas – principalmente mulheres – que vão ao trabalho como se estivessem indo a uma festa. O exagero se estende à maquiagem, aos acessórios, ao perfume. Por outro lado, existem profissionais que não cuidam da imagem. Cabelos e barbas devem estar sempre bem feitos, sapatos engraxados, roupas bem passadas. O tipo de traje vai depender muito do perfil da empresa, mas uma coisa é certa: você não deve chamar mais atenção que a sua competência.

VAI ASSISTIR A COPA NA EMPRESA?

10/06/2010

Cuidado! Gritar e xingar são atitudes que podem comprometer a carreira.

Da Redação

Vai assistir a Copa na Empresa?O futebol mexe com a emoção das pessoas, principalmente dos brasileiros. E quando quem está em campo é a seleção brasileira, o sentimento é ainda maior. Assistindo aos jogos é comum que as pessoas gritem, xinguem o juiz, os jogadores do time adversário e, em alguns casos, até os jogadores do próprio time. Contudo, não é em qualquer lugar que se pode agir dessa forma. Durante a Copa do Mundo, muitas empresas irão permitir que seus funcionários assistam aos jogos do Brasil, e o empregado deve agir de acordo com o local de trabalho. Por isso, é preciso tomar cuidado. “Ao assistir os jogos em casa, na casa de um amigo ou mesmo num bar é possível extravasar a emoção sem maiores consequências, mas no trabalho é melhor se conter, afinal é um ambiente formal e exige uma postura adequada”, explica a consultora empresarial Reginah Araújo*.

Além de não se exaltar aos assistir aos jogos, o funcionário também deve evitar ficar comentando a partida o resto do dia. “É preciso tomar cuidado para não perder a concentração fora do horário do jogo, afinal, a produtividade já estará comprometida pela pausa no expediente e passar o resto do dia comentando o jogo poderá fazer com que o chefe se arrependa de ter deixado os funcionários verem os jogos”, ressalta Reginah. “O funcionário deve lembrar que seu comportamento é avaliado o tempo todo, mesmo em dias de jogos e comemorações. Uma atitude errada hoje poderá comprometer uma promoção amanhã”, adverte a consultora. Reginah também lembra que quando a pessoa comemora fora de hora, corre o risco de ser julgada pela falta de foco, de interesse no trabalho, ou por ser incompetente, se a produtividade diminuir. Essa visão fará com que as pessoas a tratem diferente, tanto no dia a dia, quanto do ponto de vista de crescimento profissional

Dicas

  • Controle-se ao torcer nada de exageros;
  • Mantenha o foco no trabalho após o jogo;
  • Tenha uma atitude respeitosa em relação aos colegas de trabalho;
  • Antes de ir ao trabalho uniformizado com a camisa do Brasil verifique se a empresa permite;
  • Não comente jogos durante o expediente;
  • Não beba na empresa, conheço pessoas que perderam seu emprego por mau comportamento em festas informais;
  • Nada de intimidade com os colegas de trabalho e os superiores;
  • Procure não gritar ou falar palavrões nos gols perdidos nem em faltas mal cobradas;
  • Não leve cornetas, apitos e demais adereços no trabalho;
  • Seja cortes com as colegas, seda o melhor lugar, procure ser cavalheiro, as pessoas irão notar e ganhará pontos;
  • Se combinado de levar lanches, pipoca, refrigerantes não se esqueça de ajudar na limpeza do local após o jogo;
  • Lembre-se de levar sua parte caso haja uma situação em que dividir lanches é saudável;
  • Não leve parentes e amigos para assistir aos jogos na empresa, a menos que a direção convide;
  • Ao final dos jogos caso o Brasil passe para a final não seja o primeiro a pedir que sejam dispensados, pega mal, deixe que a sugestão surja de outra pessoa;
  • E finalmente lembre-se que aquele ambiente continua sendo de trabalho e que ocasionalmente foi aberta uma exceção para assistir aos jogos.

*Reginah Araújo é coach, palestrante motivacional, comportamental e consultora empresarial.

IMAGEM É SUA MARCA PROFISSIONAL

31/05/2010

Etiqueta corporativa pode definir uma contratação e é primordial para o convívio harmonioso no trabalho.

Por Rômulo Martins

Imagem é sua marca profissional A primeira impressão é a que fica? No universo corporativo sim e pode garantir uma vaga no mercado de trabalho ou o fechamento de um contrato. Especialistas em etiqueta empresarial afirmam que nem sempre o profissional terá uma segunda chance para esclarecer um equívoco. Por isso, vista-se e comporte-se de forma adequada na esfera profissional, afinal, no ambiente de trabalho, você está vendendo a sua imagem e a da empresa.

“Você pode ser descontraído, não precisa ser formal ou engessado, mas é importante que se atente às regras da polidez”, diz Célia Leão, consultora especialista em etiqueta corporativa.

No ambiente de trabalho a etiqueta ganha mais importância com a reorganização dos espaços, cuja ideia é permitir que profissionais trabalhem na mesma sala para proporcionar um ambiente mais participativo e colaborativo na criação e inovação de produtos e serviços.

“É gratificante e até mais produtivo trabalhar com alguém que não fale muito alto, não seja invasivo, deixa o celular no silencioso e sabe usar de forma adequada os espaços coletivos como o banheiro e a copa”, afirma Célia. “Trabalhar ao lado de uma pessoa com posturas inadequadas interfere negativamente na produtividade da equipe”, destaca.

Verde-amarelo pode?
A Copa do Mundo fez com que a maioria das empresas revisse seus horários e espaços para permitir que os funcionários acompanhem os jogos na própria organização. O clima é de festa e descontração, mas é bom lembrar que você está no ambiente de trabalho, por isso algumas recomendações são necessárias. Leia mais…

VOCÊ SABE SE COMPORTAR NO AMBIENTE DE TRABALHO?

06/05/2010

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Fonte: R7

PROBLEMAS PESSOAIS NO TRABALHO

03/05/2010

Situações graves devem ser reportadas à chefia imediata; fatos corriqueiros precisam ser evitados para não prejudicar imagem profissional.

Por Rômulo Martins

Problemas pessoais no trabalhoPostura coerente ao momento ou ao local onde se está inserido é o que norteia as relações sociais, todos sabem. Obviamente isso não quer dizer que o profissional vai transgredir sua essência porque o trabalho ou o ambiente exige. No passado, o bom profissional era aquele que além de estar dotado das competências técnicas requeridas para dado cargo ou função era capaz de separar plenamente a vida pessoal e profissional. Essa visão está mudando. Especialistas em Carreira já admitem que motivações pessoais e trabalho são complementares, por isso não é possível desvencilhar por completo uma esfera da outra.

Contudo, é preciso ter cautela. Essa linha consensual entre os especialistas não significa também que você pode falar a torto e a direito tudo o que acontece de bom ou ruim em sua vida no ambiente de trabalho. “É necessário estar ciente de alguns critérios”, adverte Ana Cristina Limongi, docente do Programa de Gestão de Pessoas da Fundação Instituto de Administração (FIA). “O profissional não deve compartilhar um problema com alguém que não confia ou que não tem maturidade para entendê-lo”, explica.

Segundo Ana, problemas graves cuja carga emocional é alta como agressões, doenças, mortes ou desordens afetivas, devem ser reportados ao chefe imediato ou à área de recursos humanos. “Problemas que afetam o desempenho precisam ser compartilhados”, justifica. Leia a matéria completa aqui…

NA MÍDIA – DICAS PARA COMEÇAR COM O PÉ DIREITO NO EMPREGO

02/12/2009

Essa vaga é minha: o começo no novo trabalho

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Fonte: Globo Vídeos

MEU COLEGA VIROU O MEU CHEFE. E AGORA?

30/11/2009

Consultora afirma que maturidade de ambas as partes é importante para o bom relacionamento.

Saber se relacionar com os colegas de trabalho é um dos principais requisitos para quem quer garantir a qualidade do ambiente e do próprio trabalho. Segundo Susane Zanetti, diretora da ZHZ Consultores, a arte de se relacionar é um grande desafio para qualquer profissional de mercado, visto que ‘lidar’ com pessoas é um aprendizado constante nas organizações. “Se, ainda, somado a isso, tivermos mudanças na hierarquia, as situações de trabalho podem variar e as dificuldades de relacionamento podem surgir sem aviso”, explica Zanetti.

Em geral, os profissionais se deparam com a seguinte questão: “Ele já foi meu colega de trabalho e agora virou chefe e nosso relacionamento mudou completamente. Como vou administrar isto?”.
Para Susane Zanetti, esta situação é comum nas organizações, pois a mudança na hierarquia pode alterar a qualidade do relacionamento, ou seja, o problema pode surgir de um dos lados ou de ambos. “Ou seja, o profissional que é promovido pode achar que agora vai passar a deter o poder e que deve comportar-se de maneira diferente, alterando os limites e cobrando de outra forma os resultados”, diz.

Segundo Zanetti, o subordinado pode sentir que a relação mudou. São questões do dia a dia da empresa e exigem, principalmente, maturidade nas relações de trabalho. Para ela, esta maturidade pode ser alcançada com a capacidade de autocrítica constante, disposição para ouvir, reconhecimento das lideranças entre as pessoas (seus valores, desejos e maneira de ser) e a capacidade de receber e dar feedback e evitando julgamentos precipitados, preconceitos e “rótulos”.

“Se cada profissional conseguisse colocar pelo menos 50% destes cuidados em prática teria uma qualidade de relacionamento muito melhor”, comenta a especialista em gestão de pessoas. “A questão é que tendemos a achar que os problemas estão nos outros, negando que somos parte deste problema. A realidade tem mostrado que, quando assumimos a noss parcela de responsabilidade nos problemas de relacionamento, conseguimos resolver grande parte deles. Após esta conscientização, os cuidados acima podem surtir efeito”, conclui.

Os benefícios do desenvolvimento da competência interpessoal:
Criar um clima de bem-estar entre os indivíduos que interagem;
Ser o mais profissional possível dentro da empresa, não levando as atitudes dos outros ao nível pessoal;
Evitar atritos desnecessários, causados por más interpretações ou antipatias;
Tratar as pessoas com respeito, dedicação e cortesia;
Promover a integridade do grupo para que funcione unido e harmônico.

Fonte: Bem Parana

INSPIRAÇÃO PARA SE MANTER BEM

27/11/2009

Por Ômar Souki

É fácil nos convencermos de que uma atitude otimista é mais correta e mais saudável que o pessimismo. Mas onde encontrar otimismo para enfrentar a rotina do dia-a-dia? Como buscar força nas crises e aflições?

Um dos recursos que temos é o exemplo das pessoas que, apesar das dificuldades e das tormentas, aprenderam a encarar os desafios da vida com otimismo. Abraham Lincoln, nascido em 1809 no interior de Kentucky, nos Estados Unidos, passou por todo tipo de dificuldade antes de se tornar advogado. Foi lenhador, balseiro, carteiro, almoxarife e fiscal. Lincoln manteve o otimismo e uma fé inabalável em Deus frente às adversidades. Errou, errou muito, mas permaneceu com foco na realização de seus sonhos.

Em 1831, ele falhou nos negócios. Em 1832, foi derrotado nas eleições estaduais no Illinois. Em 1833, falhou novamente nos negócios. Em 1834, foi eleito para a Câmara Estadual do Illinois. Em 1836, teve um esgotamento nervoso. Em 1838, foi derrotado como orador da Câmara. Em 1843, foi derrotado na nomeação para o Congresso. Em 1846, foi eleito para o Congresso. Em 1848, ele perdeu a reeleição para o Congresso. Em 1849, não conseguiu ser nomeado comissário do Serviço Geral Fundiário. Em 1854, foi derrotado para o Senado americano. Em 1856, sofreu uma derrota na nomeação para vice-presidente. Em 1858, foi derrotado novamente para o Senado. Em 1980, Lincoln foi eleito o décimo sexto presidente da história americana, talvez o mais respeitado e um dos melhores. Uma vez, ele disse: “Ficar como estou é impossível, preciso melhorar ou morrer”. Leia a matéria completa e confira as 4 dicas para manter o otimismo.


%d blogueiros gostam disto: