Posts Tagged ‘produtividade’

Cinco dicas para melhorar a produtividade no trabalho

31/05/2011

Priorização de tarefas, organização e planejamento são medidas essenciais para um bom rendimento profissional.

Por Rômulo Martins

Cinco dicas para melhorar a produtividade no trabalhoVocê está com uma pilha enorme de trabalho e a cada dia chegam mais tarefas. Ainda assim seu chefe não alivia. Para alcançar os objetivos da empresa desafia você com metas e mais metas. Como manter a produtividade diante de tantos afazeres? O Empregos.com.br conversou sobre o tema com especialistas. Confira as dicas.

1. Faça um planejamento semanal
Segundo Marco Fabossi, coach e especialista em gestão do tempo e produtividade, para manter a produtividade no trabalho e enfrentar a diversidade de tarefas do dia a dia, é necessário dedicar tempo ao planejamento semanal. “Não é preciso mais que 15 minutos no final de semana, ou na sexta-feira. Só não deixe para planejar a semana na segunda, isso não funciona.”

No planejamento devem ser inclusas todas as atividades da semana, sejam pessoais ou profissionais, diz Fabossi. A recomendação é planejar aproximadamente 70% do tempo, deixando os outros 30% para contingências e urgências.

Leia mais…

Anúncios

ESPECIALISTA APONTA 10 ERROS QUE MATAM A PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

16/12/2009

Atitudes simples podem resolver os problemas fazendo o trabalho render mais.

1 – E-mail:  Ficar com e-mail aberto o dia todo faz o nível de interrupções ficar intolerável, aumenta a ansiedade e a sensação de atividades por fazer. O consultor recomenda definir períodos para lidar com as mensagens, deixando a caixa de entrada fechada no restante do tempo.

2-– Não ter clareza sobre o que fazer: O que você precisa fazer primeiro? Você sabe pelo menos 80% do que deve ser feito em um dia de trabalho? Segundo Barbosa, se você não souber responder a essas perguntas, com certeza vai se perder em tarefas circunstanciais.

3- Estou em reunião: Uma pesquisa feita pela empresa da qual Christian Barbosa é diretor, a Triad Consulting, demonstra que um terço das reuniões podem ser canceladas. O consultor recomenda: dieta de reuniões já! Quanto menos, melhor. Se tiver de fazer, seja objetivo, defina pontos de discussão e faça durar no máximo 2 horas.

4-– Redes Sociais: No ambiente de trabalho você usa Twitter, Facebook, Orkut? Ainda que sua empresa permita, controle a ansiedade de ficar conectado a essas redes enquanto desenvolve suas atividades. Utilize eventuais intervalos no dia ou o horário de almoço.

5-– Falta de energia: Você está cansado, sem pique e não consegue se concentrar? A falta de energia rouba muitas horas do dia e faz a pessoa surfar em atividades circunstanciais. Tenha hobbies, procure um médico e alimente-se em horários regulares.

6- Falta de foco: Começa uma atividade e em pouco tempo salta para outra tarefas? Se a atividade for grande, tente dividi-la em pequenas partes. Feche qualquer outro software que não esteja usando, coloque o celular no silencioso e, se funcionar para você, ouça música.

7- Navegador cheio de favoritos : Você abre seu navegador para entrar em um site, esbarra na lista de favoritos e começa a perambular por outros portais? Instale outro navegador e não importe os seus favoritos. No novo browser, com a lista de favoritos zerada, você perde a tentação de ficar navegando sem propósito.

8- Mensagens instantâneas: Se em sua empresa é permitido usar MSN, gTalk, Wave, dentre outros, a regra é simples: está ocupado? Deixe seu status no modo invisível ou offline. Está tranquilo? Fique ausente ou ocupado. Está com tempo para conversar? Fique disponível.

9-– Interrupções: Se muita gente interrompe você, pode ser porque sua comunicação não anda muito adequada. Faça uma revisão de como redige os emails, concede informações e delega atividades.

10-– Tarefas imprevistas, convites inesperados e favores: Que tal falar “não” de forma concreta, com base em planejamento e disponibilidade? Se muitas tarefas imprevistas surgem na sua rotina, é possível que o nível de planejamento não esteja adequado. Repare em quais dias da semana você tem mais imprevistos e utilize isso a seu favor.

Fonte: Revista Exame

CINCO FORMAS DE PERDER O CONTROLE DA SUA AGENDA

22/10/2009

agenda

Por Christian Barbosa*

 Saber a maneira correta de administrar a sua agenda é fundamental, mas entender aquilo que faz com que você perca o controle das atividades é o primeiro passo. Afinal, é preciso antes identificar o problema para depois solucioná-lo.Pensando dessa forma, para garantir que uma gestão do tempo tenha sucesso, com as tarefas separadas e cumpridas de acordo com a sua importância, se torna necessário uma avaliação crítica dos métodos que você utiliza para se organizar.

Porém, isso deve ser levado como uma forma de experimentação a fim de se saber quais são seus pontos produtivos e improdutivos. Porque gestão do tempo pessoal não tem receita a ser seguida, mas sim orientações de como encontrar o caminho para administrar melhor as atividades ao longo dos dias. Uma boa maneira de começar a mudança é descobrir quais os métodos que atrapalham a gestão. Abaixo, listo cinco deles que não levam à organização.

  1. Não anotar suas demandas – Se você faz gestão de tempo por memória, é provável que as urgências e esquecimentos tornem-se rotineiros. Isso porque é muito mais fácil e assertivo planejar algo que se consiga visualizar claramente e, assim, desenhar sua estratégia para execução. Faça o que chamo de “Seção Descarrego”, tire tudo da cabeça e escreva o que deve ser feito na agenda ou computador, como for de sua preferência;
  2. Lotar a segunda-feira – Uma segunda-feira mal planejada é a chave para estragar o restante da semana. Se você perder o controle das suas atividades no primeiro dia e não recuperar na terça-feira, dificilmente conseguirá manter o planejamento semanal. Além do que, você pode ter o sentimento de improdutividade por não ser capaz de finalizar tudo o que pretendia;
  3. Planejar o dia – O dia não deve ser planejado, já é tarde demais para fazer isso, ele deve ser priorizado! O planejamento é antecedência, isso significa que você deve pensar nas suas atividades, no mínimo, dos próximos 3 dias, caso contrário será quase impossível reduzir as urgências previsíveis;
  4. Trabalhar por E-mail – Quem paga seu salário não é o seu servidor de mensagens eletrônicas, logo, não trabalhe para ele. Quem define a sua rotina é você mesmo, e não as demandas que chegam pela Internet. É um grande erro ficar com o correio eletrônico aberto o tempo todo, por isso estipule alguns horários por dia para verificar a sua caixa;
  5. Usar o calendário para anotar tarefas – Seu dia possui tarefas (tem um dia específico para serem executadas, mas não um horário pré-determinado) e compromissos (ficam na agenda e tem hora de início e término). Dessa forma, a adoção de um calendário não é uma boa alternativa. Isso porque este método não foi feito para agendar atividades ao longo do dia muito e muito menos para realocá-las em casos de furo.

Com estes cinco exemplos, reitero que os métodos errados podem arruinar uma agenda realmente eficaz. Não basta apenas focar no que uma boa gestão do tempo trará de benefícios, é importante, antes, verificar quais os meios adequados para chegar até ela e quais aqueles que devem ser evitados.

*Christian Barbosa – Maior especialista no Brasil em administração de tempo e produtividade, é fundador da Triad PS, empresa multinacional especializada em programas e consultoria na área de produtividade, colaboração e administração do tempo. Ministra treinamentos e palestras para as maiores empresas do país e da Fortune 100. Autor dos livros A Tríade do Tempo e Você, Dona do Seu Tempo, Estou em Reunião e co-autor do Mais Tempo, Mais Dinheiro.

AS N MANEIRAS DE COBRAR PRODUTIVIDADE

10/09/2009

3d blue Diagram with arrow

Trabalhar cerca de 10 a 12 horas diárias exige das organizações programas de qualidade de vida para seus colaboradores

Por Paulo Chebel*

O primeiro tema a ser discutido antes da implantação de programas de qualidade de vida em uma empresa é identificar o que é a qualidade de vida para a empresa e colaboradores, e se a gestão está preparada para esta mudança. Muito é falado sobre qualidade de vida, principalmente no ambiente corporativo, e todas as ações devem levar ao mesmo objetivo: melhorar o bem-estar do colaborador. Por que? Porque o bem-estar do colaborador é diretamente proporcional à sua produtividade e por conseqüência melhora os resultados da organização, em todas as perspectivas: financeira, do cliente, processos operacionais e do aprendizado, usando como base o Balanced Scoredcard , por exemplo.

Existem duas grandes frentes de trabalhos a serem endereçadas pelas empresas que queiram promover a Qualidade de Vida no ambiente empresarial. A primeira frente é a parte física, em que se deve entender as necessidades dos colaboradores, e a segunda é a parte psicológica. Estas frentes são complementares seguindo a hierarquia das necessidades de Maslow, composta por cinco necessidades fundamentais: fisiológicas, segurança, amor, estima e auto-realização.

As empresas devem implantar os programas de qualidade de vida pensando em seus colaboradores, incluindo neste conceito todos os níveis hierárquicos da organização, e para isso deverão contar com várias iniciativas, pois as necessidades mudam de acordo com o grupo de trabalho, departamento, localização física, entre outros aspectos. Por exemplo, ginástica laboral para um departamento de televendas é muito importante para evitar lesões por esforço repetitivo (LER), para operadores de máquinas (ex. empilhadeira) o EPI – Equipamentos de Proteção Individual – passa a ser mais importante, ou até obrigatório em alguns casos.

Enfim, as necessidades fisiológicas e de segurança são as mais fáceis de serem atendidas, pois são necessidades básicas e na grande maioria é algo tangível: conforto no ambiente de trabalho (ergometria), alongamento e massagem (para aliviar estresse físico), áreas de relaxamento, melhor transporte, refeitórios atrativos (boa comida e visual), etc. Vemos com freqüência muita dedicação nas áreas básicas e muito pouco nas áreas que envolvem o estado emocional das pessoas (amor, estima e auto-realização). Não podemos esquecer que somos formados por um conjunto de elementos que devem estar em harmonia para estarmos bem. Assim, é muito importante, após ter atendido às necessidades básicas, investir maciçamente em programas motivacionais para garantir ao colaborador o estímulo e vontade de trabalhar.

Estes programas devem considerar o plano de carreira, comissão ou bônus, desenvolvimento humano (treinamento e capacitação), RECONHECIMENTO e, Veja mais…


%d blogueiros gostam disto: